Saudade: histórias que nunca se vão.

Quadros na parede

Poderia começar esse post com inúmeras citações de diversos cantores, escritores, poetas e afins, mas escolhi essa:  “Saudade eterno filme em cartaz”.

Saudade: substantivo feminino. Lembrança nostálgica e, ao mesmo tempo, suave, de pessoas ou coisas distantes ou extintas, acompanhada do desejo de tornar a vê-las ou possuí-las; nostalgia.

Neste 30 de janeiro, dia da saudade, vamos falar um pouco mais sobre esta palavrinha não tão pequena, mas de enorme significado. Muitos dizem que ela não tem tradução para outras línguas, assim como é tão difícil explica-la.

Querendo ou não a saudade nos remete a tempos passados, a coisas que já foram vividas, presenciadas, sentidas. A saudade pode ser boa ou ruim, boa no sentido de relembrar aquele velho amigo, aquela casa da sua infância, uma viagem, um show. Enquanto para outras pessoas este sentimento pode gerar sofrimento quando lembrado.  De acordo com a psicoterapeuta e psicóloga, Olga Inês Tessari, “Há pessoas que sofrem com a saudade por se prender ao passado a ponto de paralisar suas vidas atuais”, ela diz que em geral isso ocorre porque algumas pessoas não aceitam sua realidade atual, porque foram felizes no passado ou até porque perderam alguém que faz muita falta.

De um jeito ou de outro, sempre que lembramos de algum momento querido nos dá aquela dorzinha por não poder viver novamente aquele dia mas o mais importante é não pararmos de viver e de construir novas histórias, assim sempre teremos algo legal para se lembrar e sentir saudade.

Para finalizar, eu te pergunto: se sua vida fosse um filme, qual seria o cartaz da sua história?

van

Vanessa Garcia:  Estudante de Computação Gráfica. Curte ficar com a família e com os amigos. Gosta de ver um céu estrelado e a paz de observar uma bela paisagem. Observadora, não fala muito mas dizem que sempre dá bons conselhos.

Deixar uma resposta