Come on hippies!

Ilustração: Cheyenne Cordeiro

O som de Janis Joplin, logo pela manhã, quando o sol da Califórnia brasileira ainda não está fervendo, despertou o espírito hippie por aqui. E onde estão os hippies, com aquela alegre descrença no capitalismo? Logo agora que mais precisamos deles. Agora que o mundo está de pernas para o ar. A arte sendo tratada como desnecessária, sem uso, sem lugar. As mulheres amontoadas e nuas na web, com números, sempre prontas, basta clicar e chamar. O amor que quer dominar e não mais se entregar. O “fast love”. É um eterno troca-troca de casais, rápido e quantitativo. O tempo todo uma obscenidade no ar. As famílias desagregadas. As crianças crescendo com babás. Os animais sendo maltratados. Entre tudo isso, cadê o anseio de achar uma resposta à esse mundo caduco e careta? E o desejo de nos tornarmos UM? Ou um sonho que fosse comum? E aqueles jovens dos anos 60, da geração X, que usaram os meios de comunicação em massa para defender uma contracultura, inovando estilos, transformando consciências, valores e comportamentos? E os movimentos estudantis? Os festivais de música? A economia cada vez mais globalizada e as relações humanas mais desunificadas. E que este não seja um manifesto socialista nem um lero-lero ideológico, mas unicamente uma vontade de juntar, de unir.

A ilustração, é da ilustradora oficial da Limão Cravo | Estudio Criativo e estudante do 3° período do curso de Moda, Cheyenne Cordeiro.

 

Caio Drusus, estudande do 7° período de Arquitetura e Urbanismo.
Trabalha na Limão Cravo | Estudio Criativo como Consultor Criativo.
Curioso e interessado em tudo que é grafico e moderno.

6 Comments Add yours

  1. Luísa Brito diz:

    Ainda existe esse pensamento de querer uma pessoa para sempre, casar, constituir família, valorizar o relacionamento, acredito. Mas a cada dia mais esse pensamento está desaparecendo, porque na maioria das vezes quando encontramos alguém, nem sempre essa pessoa tem o mesmo pensamento, ou até maturidade para encarar isso, já que na atual circunstância da sociedade isso é desprezado. E aí o que acontece são decepções, raiva e vontade de não mais sofrer por quem não vale a pena. Por isso, eu penso que a tendência do ”fast love” é só piorar. Ninguém mais valoriza relacionamentos, ninguém mais valoriza ninguém. Ninguém mais valoriza a si próprio!

  2. Vinicius Arantes Basso diz:

    Depois de um dia tão estressante como hoje, sem ter parado nem pra perceber direito que realmente a estação do ano mudou…concordo plenamente com o texto do meu grande amigo Caio. É exatamente o que temos vivido todos os dias dos nossos dias (a repetição é com certeza proposital. rs). E isso me assusta!

  3. jean diz:

    Eu to pensando seriamente em virar hippie! Concordo com o texto Caio… esta cada vez piot! mas isso tudo é devido a tecnologia e ao excesso

  4. Eduardo(turco) diz:

    Muito bom caio, curti muito o texto! e concordo plenamente!

  5. Natalia Nunes diz:

    vou deixar esse bloguerio maravilhoso de lado por hoje e parabenizar a ilustradora!!!

Deixar uma resposta