Neurociência aliada ao design e sua aplicação prática nos negócios

A cada dia recebemos diversos estímulos sensoriais gerados pelos diferentes dispositivos tecnológicos. E a cada minuto, nosso cérebro é inundado por milhares de informações cuja maioria acaba sendo ignorada pela mente humana. Com isso, uma parcela pequena de conteúdo é capaz de chamar atenção e desencadear alguma reação em nosso comportamento e em nossas escolhas.

Com o uso de equipamentos e ferramentas da neurociência, é possível mapear e mensurar as reações psicofisiológicas de um indivíduo diante de um estímulo. Esse estímulo pode ser em forma de cartaz, texto, imagens, vídeos ou qualquer outra peça publicitária. Dessa forma, é possível determinar os pontos de maior retenção da atenção, de excitação, repulsa ou aceitação. Para chamar a atenção do consumidor, o neuromarketing utiliza metodologias para mapear a visualização, pois normalmente o que ele olha primeiro é o que mais chamou sua atenção.

Nossos cérebros são capazes de decidir muito rapidamente se gostaram de um produto ou website e isso direciona os julgamentos seguintes, ou seja, se forem positivos, os próximos julgamentos tendem a ser positivos.

Um bom design precisa conhecer o comportamento do consumidor, balanceando inovação com familiaridade em relação à categoria. Devemos combinar conhecimentos para que possamos mapear nosso próprio entendimento em relação ao comportamento humano e aos processos de tomada de decisão.

Indicação de livro: ‘Neuromarketing: como a neurociência aliada ao design pode aumentar o engajamento e a influência sobre os consumidores’ – Darren Bridger

Deixar uma resposta